Incêndios, exploração madeireira e mudança climática

Com mais de 2,25 milhões de hectares queimados em três estados costeiros e incêndios que pontilham o oeste dos EUA, muitas comunidades foram evacuadas e algumas queimaram – mais de 1.000 casas desapareceram. O fumo criou uma qualidade do ar muito insalubre e foi detectado na Europa.

Mark McReynolds é o diretor do projeto local A Rocha no Sul da Califórnia. Ele anteriormente liderou um programa de três anos com financiamento federal para educar professores sobre questões florestais e tem um doutorado em Estudos Ambientais. Ele conta: «As pessoas querem respostas. A indústria madeireira está pedindo “redução de combustível”, também conhecido como exploração madeireira, o que parece razoável, mas desvia a atenção da mudança climática (o motor do aumento de incêndios intensos), de medidas práticas para salvar comunidades, e de provas de que a exploração madeireira piora os incêndios.»

Chad Hanson, um ecologista do Projeto John Muir e amigo d’A Rocha, argumenta que a exploração madeireira não interrompe os incêndios. Os incêndios queimam mais rapidamente nas florestas exploradas e não tendem a queimar mais intensamente em florestas densas¹ ou em florestas com alto número de árvores mortas². A extração também cria problemas ambientais locais e anualmente emite mais carbono nos EUA do que os setores residencial e comercial combinados³ – criando mais mudanças climáticas.

A menos que haja uma mudança, o novo normal será provavelmente mais e maiores incêndios. A Rocha EUA está encorajando as pessoas a pedir a seus representantes políticos que lidem com a mudança climática e ajudem as comunidades a desenvolver regulamentos de construção e zoneamento de moradias que minimizem os efeitos dos incêndios florestais sobre as pessoas.

Incêndios, exploração madeireira e mudança climática 2 out 2020
Atualização: Apelo do Coronavírus 1 out 2020
Últimas notícias
Um tributo vivo aos líderes d’A Rocha 1 out 2020
Últimas notícias da campanha Atewa 1 set 2020