Chris Naylor

Diretor executivo

Chris Naylor (Melissa Ong)

Chris é o diretor executivo desde abril de 2010.

Chris trabalha na Rocha desde 1997. Até 2009, foi o diretor da organização no Líbano, que ele ajudou a fundar. Ele supervisionou o programa de restauração ambiental no pântano Aamiq, o desenvolvimento do projeto de educação ambiental e o programa de pequisa de campo; identificando 11 novas Áreas Importantes para a Conservação das Aves em todo o país.

Antes de juntar-se a A Rocha, Chris foi professor de ciências e administrador escolar no Reino Unido e no Oriente Médio, tendo também estudado teologia e aprendido árabe.

É mestre pela Universidade de Cambridge e licenciado pela Universidade de Nottingham. Ele nasceu em 1961, é casado e tem três filhos.

Seu livro, Cartões postais do Oriente Médio, foi publicado pela Lion Hudson em março de 2015. Você pode conferi-lo no nosso blog Planetwise.

Você foi diretor nacional por 14 anos. Isso o ajuda atualmente?

Sim, com certeza. Eu sei o que é ter uma equipe pequena, poucos recursos e, apesar disso, oportunidades abundantes.

A Rocha é intencionalmente transcultural. Qual é a sua contribuição nesse sentido do fato de você ter feito parte de uma equipe no Oriente Médio?

Viver em uma cultura diferente nos ajuda a apreciar a capacidade das pessoas de perceber o mundo de formas muito diferentes. Eu quero que A Rocha se construa a partir da qualidade de nossas equipes maravilhosamente diversas. As diferenças culturais que nós encontramos não são só geográficas. O movimento conservacionista, por exemplo, terá que se adaptar substancialmente se se abrir para o imenso potencial papel dos grupos cristãos.

Qual é o seu maior desafio como diretor executivo?

Em uma organização desse tamanho, crises são inevitáveis. Mais uma vez, minha experiência no Líbano é inigualável, porque minha família e eu vivenciamos guerras, evacuações e todo tipo de incerteza. Eu aprendi a viver com dificuldades e a manter uma perspectiva saudável.

Você quer que A Rocha continue crescendo?

Sim, mas o desafio não é só financeiro. Eu quero que nós continuemos a ser uma família, mantendo a identidade relacional, que nos é tão importante.

Você tem outros desejos para A Rocha?

De várias formas, o futuro do nosso planeta parece sombrio. Apesar disso, como cristãos, nós sabemos que há esperança, porque o mundo pertence a Deus, não a nós mesmos. Eu quero que A Rocha ajude as pessoas a viver e a agir com esperança.

Eu não poderia fazer o meu trabalho sem…

A fantástica equipe internacional.

A Rocha tem febre de festivais! 1 ago 2019
Conservação através da educação ambiental 1 ago 2019
Últimas notícias
Painhos: Lança a tua ave sobre as águas! 1 ago 2019
Ofereça água pura de presente 1 nov 2018