Dr Robert Sluka

Cientista chefe, Programa de preservação marinha e costeira

Ver a produção profissional do Dr Robert Sluka

Bob Sluka (Matt Brandon)Bob trabalha no ramo de preservação marinha há vinte anos. Seu foco está nas áreas protegidas marítimas e na ecologia de recifes de coral, assim como na pescaria de recifes de coral. Após sua pós-graduação a qual trabalhou na Flórida e no Caribe, Bob passou dez anos no sul da Ásia, principalmente na Índia e nas Ilhas Maldivas. Ele conheceu A Rocha quando se mudou para o Reino Unido em 2006 e tornou-se voluntário num projeto de restauração de zimbro em Chiltern Hills e em pesquisa marinha no País de Gales. Em 2010, ele ajudou a iniciar o trabalho de preservação marinha em Mwamba, o centro de estudo de campo de A Rocha Quênia. Ele vive na Florida, Estados Unidos.

Para mais informações sobre o trabalho do Bob, veja o programa de preservação marinha e costeira de A Rocha (em inglês).

Por que A Rocha?

A Rocha é holística. Eu posso juntar uma pesquisa aprofundada com uma reflexão teológica e preservação que abençoa a população local.

Do que você mais gosta?

De trabalhar com cientistas jovens e empolgados, ajudando-os a criar e a desenvolver os seus projetos. E no centro no Quênia as conversas, muitas vezes, exploram as grandes questões da vida. Eu posso então compartilhar as minhas convicções e aprender com os outros.

A sua vida familiar é moldada pelo seu amor pelo mar?

Nós vamos frequentemente ao litoral nos fins de semana e nas férias. Quando levei a minha família para passar dois meses ao centro da Rocha no Quênia, meus três filhos me ajudaram a escrever e produzir exercícios sobre poças à beira do mar, que são atualmente usados por crianças nas escolas da região.

Conte-nos uma experiência submarina inesquecível.

Eu estudei garoupas numa das ilhas Maldivas mais remotas. O sol estava se pondo e eu estava mergulhando com amigos locais em um canal onde provavelmente ninguém nunca tinha mergulhado antes, e nós deixamos a corrente nos puxar bem forte para uma zona bem funda; de repente o fundo do mar estava centenas de metros abaixo, e por cima de nós veio um cardume de peixes-napoleão Cheilinus undulatus. São peixes gigantescos, maiores do que eu e em risco de extinção. Foi um momento que nunca vou esquecer.

No Journal of the American Scientific Affiliation, você chamou os cristãos de todo o mundo a reagir à sobrepesca. Qual ação você gostaria de ver?

Eu acho que as principais organizações de desenvolvimento deveriam pensar em como servir comunidades costeiras envolvendo-se em preservação marinha. Igrejas costeiras também precisam conscientizar a sociedade sobre essas questões. Nós temos recursos que os líderes das igrejas podem usar.

Eu não poderia fazer o meu trabalho sem…

Meus lanches (nem sempre saudáveis)!

Os incêndios na Amazônia – Quão ruins eles são e como os cristãos devem responder? 17 set 2019
A Rocha tem febre de festivais! 1 ago 2019
Últimas notícias
Conservação através da educação ambiental 1 ago 2019
Painhos: Lança a tua ave sobre as águas! 1 ago 2019