Conduzindo elefantes

Ao lado da cidade de Bangalore, Índia, os elefantes do Parque Nacional Bannerghatta estão a ser empurrados para a extinção. Apanhados entre um habitat florestal em contração e uma população urbana em constante expansão, os elefantes são forçados a viver em tiras finas de floresta. Vivendo no limite, são frequentemente tentados a entrar em espaços humanos. Desde 2004, A Rocha Índia tem sido pioneira na investigação científica e técnicas comunitárias para mitigar o conflito entre humanos e elefantes, que é a maior ameaça à sobrevivência dos elefantes locais.

O elefante-asiático

O elefante-asiático é o maior mamífero terrestre da Ásia. São animais extremamente sociáveis – formando grupos de seis-sete fêmeas, liderados pela matriarca – e passam grande parte do seu dia a alimentar-se de ervas, raízes, folhas, cascas e caules. Os seus alimentos preferidos são culturas cultivadas, tais como bananas, arroz e cana-de-açúcar, o que as coloca frequentemente em conflito direto com os agricultores locais. Apesar de ter o mais alto nível de proteção na Índia, a sobrevivência do elefante-asiático é ameaçada pela destruição, degradação e fragmentação das florestas naturais, bem como pelas questões contínuas da caça furtiva do marfim e das interações com seres humanos.

O Parque Nacional de Bannerghatta

O Parque Nacional de Bannerghatta é um fragmento longo, mas estreito da extensa área de distribuição do elefante Mysore que se estende através dos estados de Karnataka, Tamil Nadu e Kerala. Esta área é o lar das maiores congregações de elefantes-asiáticos do mundo e Bannerghatta é o lar de cerca de 160 deles. Mas 40% da fronteira norte do parque nacional está rodeada pela cidade de Bangalore, em constante expansão. A paisagem muda rapidamente de floresta para povoações urbanas densas com grandes estradas e caminhos de ferro espalhados por todo o lado. Bannerghatta é talvez o único parque nacional habitado por elefantes na Índia que se encontra tão perto de uma metrópole urbana. Em apenas alguns quilómetros, os elefantes que se deslocam para fora da área protegida encontram-se em zonas totalmente urbanizadas.

Quando os elefantes-machos se afastam ainda mais da proteção do parque nacional em busca de forrageiras, quebrando cercas em quintas e plantações, isto coloca o elefante em conflito direto com as pessoas, em resultado do qual pode ser ferido, morto ou capturado. A coexistência com este grande, inteligente e por vezes perigoso animal selvagem traz por vezes tanto perdas económicas como perigo para as vidas das comunidades locais.

A Rocha Índia está a trabalhar em parceria com o Departamento Florestal do Estado de Karnataka, a Asian Nature e o Instituto Indiano de Ciências Avançadas para realizar estudos das populações de elefantes, educação ambiental e sensibilização das populações humanas, que têm tido uma participação generalizada. Os elefantes são rastreados e cercados para os impedir de se deslocarem mais. As rotas são meticulosamente planeadas para levar os elefantes de volta à floresta da forma mais rápida e segura possível, tentando evitar grandes rotas de tráfego e áreas densas de habitações. E a utilização da paisagem pelos agricultores está a ser examinada para se obter uma compreensão mais clara das interações, para que ideias criativas – tais como barreiras à prova de elefantes – possam ser desenvolvidas para ajudar a resolvê-las. Além disso, A Rocha Índia dirige campos de ecologia para escolas locais, organiza conversas públicas na cidade e treina novos guardas florestais.

Assista a Driving Elephants, um filme de 26 minutos que mostra as consequências da saída de elefantes para os espaços humanos, e leia as impressões da realizadora sobre a filmagem de ‘Driving Elephants’.

Saiba mais sobre elefantes e A Rocha Índia

Shopping Basket

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.

Dave Bookless

Director of Churches and Theology

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.